Notícias

Todas as notícias da sua escola

Eclipse solar: a curiosidade é natural, mas cuidado com os riscos!

Categories: 1º ciclo,Comunidade,Informações,Jardim de Infância

eclipse-2015-03-20Um eclipse solar é um fenómeno natural que desperta uma curiosidade natural nas nossas crianças, e também nos adultos, e a sua divulgação científica e enquadramento são muito importantes. No entanto, existem riscos sérios para a saúde se não forem tomadas um conjunto de precauções. Sugerimos que conversem em casa, e na escola, sobre este tema, mas lembrando que o risco de cegueira parcial ou total existe.

Aprendam, divirtam-se, mas em segurança!

Junto transcrevemos excertos da informação recebida da Direção Geral de Educação, sobre este assunto:

Está previsto que a duração do eclipse ocorra das 8h às 10h, atingindo o pico máximo cerca das 9h. As percentagens de área solar coberta variam de distrito para distrito (62% a 74%), bem como os instantes em que o eclipse se inicia, termina e atinge o seu máximo. Este fenómeno desperta naturalmente a curiosidade das nossas crianças e jovens e presta-se a ser discutido no contexto de sala de aula, designadamente no que se refere à sua explicação científica.

Contudo, há que alertar também os alunos para os perigos da observação deste fenómeno se não forem efetuadas as necessárias precauções. A observação do Sol requer procedimentos de segurança corretos que a não serem observados terão como consequência graves riscos para a visão humana, e, no limite, a cegueira.

Neste âmbito, a Direção-Geral da Educação, em parceria com o Observatório Astronómico de Lisboa e com a colaboração da Direção-Geral da Saúde, elaborou uma informação pormenorizada sobre o eclipse do Sol e sobre os cuidados de prevenção a observar perante este fenómeno.

A informação recebida, que nos cumpre partilhar, por divulgação científica e também para prevenirmos eventuais riscos para a nossa saúde, é a seguinte.


O Eclipse Solar de 20 de Março de 2015

Ocorre no próximo dia 20 de março um eclipse total do sol, o qual é parcial no território nacional. Só voltará a acontecer um eclipse solar total na Europa em 2026. No mapa abaixo apresenta-se a percentagem de obscurecimento (fração coberta) do disco solar, assim como a hora de ocorrência do máximo do eclipse. Como pode observar-se, na Madeira atingirá os 57%, subindo para 63% a 74% no continente e atingindo entre 70% a 78% nos Açores.

Mapa_Eclipse

Mapa_Eclipse_2

O eclipse começa uma hora antes do máximo e termina 1h 10min depois deste. Como exemplo, o eclipse em Lisboa começa às 07h 59min, tem o máximo às 9h 01min e termina às 10h 08min, com uma duração de 2h 08min e 67% de obscurecimento máximo. Informações dos dados astronómicos mais detalhados podem ser consultadas aqui.

Como Observar o Eclipse: regras de segurança

São restritos os locais que vendem filtros solares oculares para usar na cara (vulgo óculos do eclipse), os quais não devem confundir-se com os filtros oculares que se usam em telescópios.

oculos_eclipse

Não havendo acesso a quantidade suficiente destes filtros solares/óculos de eclipse, é absolutamente obrigatório ter um comportamento seguro de observação deste fenómeno, pois há sérios riscos para a visão. Aconselha-se vivamente que as escolas que pretendam observar o eclipse solar optem pelos métodos de projeção, ou que se dirijam a um local onde se façam observações por pessoas qualificadas. Toda a informação com descrições dos métodos seguros de observação, bem como dos equipamentos que pode usar seguindo escrupulosamente as instruções, se encontra disponível neste link.

O Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), em colaboração com a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), terá as portas abertas com entrada livre. Na manhã de 20 de março, na FCUL/OAL, encontrar-se-ão à disposição do público diversos telescópios e outros meios destinados à observação do eclipse, enquanto vários astrónomos explicarão estes fenómenos. Também se planeia difundir, em direto, nas páginas Internet do OAL e da FCUL, a imagem do sol durante o percurso total do eclipse.


 

Regras a cumprir

  1. NUNCA observar o sol diretamente sem filtros solares oculares* (vulgo “óculos do eclipse”).
  2. NUNCA usar óculos escuros, vidros negros de fumo, películas ou negativos fotográficos, radiografias, disquetes, CDs, DVDs, filtros de gelatina, polaroides, filtros Wratten e folhas de alumínio na observação do Sol. Não é igualmente recomendável o uso de quaisquer filtros de soldador abaixo do #14.
  3. NUNCA usar os filtros solares oculares combinados com binóculos, câmaras fotográficas, telescópios ou outros
    instrumentos óticos. Estes filtros solares SÓ devem ser usados para observação ocular direta, fazendo intervalos frequentes para descanso, a fim de o olho não aquecer demasiado.
  4. NUNCA colocar os filtros solares na ocular do instrumento ótico, ou seja, na lente onde se espreita para ver através dos binóculos ou telescópio. Nesta situação o filtro solar derrete, deixando entrar intensidade suficiente para queimar a retina.
  5. NUNCA fazer uso dos filtros solares oculares já utilizados ou que estejam guardados, antes de os testar adequadamente, pois podem ter microfuros, arranhões ou imperfeições que deixem passar mais radiação do que a permitida. Lembre-se de que a queimadura do olho é indolor, pelo que o perigo associado é enorme e arrisca assim a sua saúde. Antes de usá-los, deve testar a sua segurança, olhando através deles para uma luz muito forte (e próxima) em casa, e procurando falhas, furos e riscos.
  6. NUNCA exceder a observação contínua com óculos de proteção especial por períodos de mais de 30 segundos, fazendo sempre intervalos de 3 minutos de descanso. Evita-se, desta forma, a acumulação de calor na retina. IMPORTANTE lembrar que o aquecimento da retina não é sentido tal como se sente o aquecimento da pele, uma vez que a queimadura da retina é INDOLOR! Se prolongar demasiado a observação, a retina aquece sem se aperceber e pode causar lesões irreversíveis, incluindo a cegueira parcial ou total. Além disso, evita-se que o filtro aqueça em demasia, reduzindo a possibilidade de deteriorar o seu plástico.

*Os filtros solares oculares, ou óculos do eclipse, são vendidos nalgumas lojas de material astronómico ou em revistas de astronomia (estrangeiras), nestas ocasiões. Devem ter marca CE obrigatória, cumprindo a Norma Europeia EN 169/1992 e a Diretiva Europeia CEE 89/686.